acesso a zona privada

Archive for ◊ Junho, 2008 ◊

30 Jun 2008 Gaula

Estou de volta à Madeira e uma vez que não me parece que vá existir nenhuma reunião dos órgãos próprios do PS para analisar os resultados eleitorais de Gaula, faço-o aqui publicamente…

Começo por manifestar a minha solidariedade com os candidatos socialistas e agradecer aos 70 eleitores de Gaula que votaram no PS!

É também necessário cumprimentar os únicos vencedores deste processo eleitoral – o PSD.

Tal como eu já tinha previsto, o PSD ganhou as eleições! Com os conflitos públicos no PS de Gaula e com a divisão por duas listas, o mais normal seria a dispersão de votos e a vitória do PSD… Foi o que aconteceu…

Mas a dispersão de votos entre o PS e o “Povo de Gaula” não foi propriamente equilibrada… Eu esperava uma distribuição mais equilibrada entre estas listas, apesar de tudo…

A lista do “Povo de Gaula” também perdeu. Não só perdeu nesta eleição, como também perdeu estrategicamente, porque este resultado torna muito difícil o sucesso do projecto pessoal do Filipe Sousa de concorrer a Santa Cruz daqui a um ano. Por arrastamento também perderam o CDS-PP e o BE.

A CDU faz uma festa não só por ter conseguido o apoio de eleitores tradicionalmente do PS e por ter tido mais votos do que o PS, mas também por ter tido mais protagonismo do que o BE e o CDS-PP. Para a CDU é uma festa ver os demais partidos da oposição de rastos…

Mas sobre o PS é necessário fazer mais alguns comentários…

Parece-me que o PS esteve mal na estratégia que implementou e continua mal nos poucos comentários posteriores ao resultado eleitoral.

O PS e o seu líder não podem andar meses prosseguindo uma estratégia de uma ampla coligação autárquica em 2009 e recusar um projecto integrador em 2008 (pelo menos com o CDS-PP e BE) liderado por figuras conotadas com o PS…

Na última convenção, a minha posição foi claramente contra essa estratégia de coligação no actual cenário político nacional, mas uma vez que a direcção quis, legitimamente, implementar essa estratégia, tinha de ser coerente e apoiar uma lista de oposição com possibilidades de ganhar.

A actuação do líder do PS neste processo pareceu mais uma vingança e uma defesa da honra ofendida do que uma actuação racional na defesa institucional do Partido que lidera.

João Carlos Gouveia tem dito vezes sem conta que o que importa é derrubar o regime. Não importa ganhar uma Freguesia ou uma Câmara se não for derrubado o regime.
Eu acho esta ideia um completo disparate! O PS precisa de credibilizar quadros políticos através da sua actuação autárquica…

Mas se o João Carlos Gouveia acha as autarquias irrelevantes, e nomeadamente Gaula, porque é que lhe deu mais importância do que ela tem?
Porque é que encarou estas eleições antecipadas como encarou?
Devido à sua atitude, o resultado eleitoral, fosse ele uma eventual vitória do PS ou uma provável derrota, seria sempre um péssimo resultado estratégico para o PS por dividir o eleitorado socialista…

Se o que é mais importante é derrubar o regime, conforme afirma o João Carlos Gouveia, então o PS não pode sobrevalorizar o estado de alma do Filipe Sousa e não pode ter medidas desproporcionadas face à “infracção” do Filipe Sousa de achar que é mais fácil ganhar eleições na Madeira com listas de independentes…

O PS não pode dizer mal de quem já o representou e achar que o eleitorado compreende…

O João Carlos Gouveia ataca os camaradas que se lhe opõem como ataca o PSD e esquece-se das coisas que diz e faz… Aponta para os outros, nomeadamente a anteriores direcções, as responsabilidades pela sua manifesta inabilidade em gerir pessoas.

Gostaria de referir, sem no entanto aqui reproduzir, o que o João Carlos Gouveia disse na última reunião da Comissão Regional realizada no Eden Mar onde clarificou a sua estratégia para as eleições autárquicas de 2009… Os que lá estiveram até ao fim da reunião sabem do que falo… Nessa altura o “conflito” com Filipe Sousa ainda era uma criança… e o incendiário era o João Carlos Gouveia…

Com o João Carlos Gouveia, mesmo depois de bater bem forte com a cabeça na parede, a estratégia continuará a ser jogar-se de cabeça contra a parede e cada vez com mais força… até que se abra uma brecha na parede ou já não exista cabeça… E quem no PS achar que não é esse o caminho para ultrapassar o muro será acusado de estar a “fazer o jogo do PSD” e será atacado com a mesma veemência…

É por isso que o João Carlos Gouveia está cada vez mais sozinho… vai de depuração em depuração até que no fim só ficará ele, qual mártir, a se jogar de cabeça e com a máxima força que restar contra a parede…

Felizmente já só falta um ano para terminar o mandato… Como o tempo passa depressa…

29 Jun 2008 A descolagem
 |  Category: Desporto, Parapente, Prazer  | One Comment

O sempre complicado momento da descolagem dos pilotos para a prova.

29 Jun 2008 Resultado Final da Prova de Castelo de Vide
 |  Category: Desporto, Parapente, Prazer  | Comments off

O resultado final da primeira prova do Campeonato deu o primeiro lugar individual (Cláudio Virgilio) e colectivo para o CSD Câmara de Lobos.

Na primeira manga válida ganhou o Américo Sousa e em segundo ficou o Cláudio. Na segunda manga válida ficou em primeiro o Cláudio Virgilio.
Assim, tivemos um pleno na vitória das mangas e no resultado da prova.

Castelo de Vide deixa boas recordações e bons resultados!

29 Jun 2008 Fotos da descolagem de Castelo de Vide
 |  Category: Desporto, Parapente, Prazer  | Comments off



26 Jun 2008 voo portugal-espanha em parapente
 |  Category: Desporto, Parapente, Prazer  | 3 Comments

Hoje fiz o meu primeiro voo internacional de parapente!
Descolagem na bela cidade de Castelo de Vide, sobrevoo pelo incrivel penhasco de Marvao e aterragem em Espanha – Valencia de Alcantara.

Lamento mas nao ha fotos… Ou bem se pilota a aeronave ou bem se tiram fotos…
No proximo voo eu largo tudo da mao e tiro fotos so para voces… Ok? ;-)

24 Jun 2008 Ainda o Portugal no Coração
 |  Category: Prazer, Turismo  | One Comment

Agora o resultado da entrevista que referi no meu post anterior, na passada sexta-feira, dia 20.

20 Jun 2008 Hoje vou estar na RTP1…
 |  Category: Prazer, Turismo  | 3 Comments

Pois é, hoje vou ser entrevistado no programa da RTP1 “Portugal no Coração”.

Sim, é aquele com o João Baião e a Tânia Ribas de Oliveira…

O tema do programa são as férias e eu vou falar sobre o sistema de troca de casas Intervac (http://www.intervac.org).

Para quem não sabe, a troca de casas é uma forma muito interessante de fazer férias, com a vantagem extra de ser muito económico. Eu sou “fã” deste sistema desde 2005… muitas das fotos de viagens que estão no fundo deste blog são de férias de trocas de casa.

Já sabem, se quiserem saber mais é só verem hoje a RTP1 entre as 15h e as 18h.

18 Jun 2008 Sinal mais para o ambiente
 |  Category: Política, Política Internacional  | Comments off

Al Gore, o ex-futuro Presidente dos Estados Unidos, Nobel da Paz, veio a público apoiar a candidatura de Obama.
Argumentou sobre a preparação de Obama para ser presidente. Relembrou os ataques dos republicados a J.F. Kenedy sobre a idade e a suposta falta de preparação deste para ser Presidente.
Disse também que o tempo passado em Washington não é condição necessária ou suficiente para se estar preparado para ser Presidente.

O apoio do Democrata Gore é um apoio natural, mas é um apoio com pré-condições ambientais. Logo uma boa notícia para o mundo.
Note-se no entanto que Al Gore não fez um apoio público há 4 anos com John Kerry. Também não declarou apoio durante as primárias democratas (apesar de ter ameaçado fazê-lo no período de maior impasse).

Continua em aberto o o lugar de vice de Obama…

18 Jun 2008 Paróquia de Gaula vai a votos

A freguesia de Gaula é por estes dias o umbigo do PS e PSD.

Muito empenho para um mandato de um ano e para uma derrota de Pirro.

Já disse a várias pessoas o meu prognóstico, mas aqui não o faço porque tem muita gente a ouvir… Aguardo sem entusiasmo a decisão popular.

18 Jun 2008 Oh não! a Irlanda votou não…

Os Irlandeses votaram Não e a Europa volta a reflectir pesadamente sobre o seu futuro.

Tenho muita pena que assim tenham decidido. O impasse pode ser ultrapassado ou não, mas seguramente perderemos mais uns nove a doze meses com esta situação.

Recuso-me a embarcar na onda dos que perante este resultado argumentam na incapacidade do povo para perceber as vantagens da União com o novo Tratado.

Os que votaram no referendo são os mesmos que escolhem os governos, os mesmos que escolhem o que compram no mercado, os mesmos que decidem quais programas de televisão “são bons” e quais os que “não prestam”.
Não podemos dizer que as pessoas são muito habeis a escolher numas coisas e não o sabem fazer noutras…

A União Europeia alargou as suas fronteiras depressa, muito depressa. Tão depressa que até ficou difícil saber o nome de todos os países da União, quanto mais saber onde ficam no mapa, conhece-los e partilhar com eles mais soberania…

No entanto, considero que o projecto Europeu é inevitável. Ao poderio económico da Europa continua a faltar a dimensão política. Continuamos todos nós Europeus a dar mais importância às nossas pequenas paróquias nacionais e regionais do que participar verdadeiramente no projecto de integração Europeia.

Sem inimigos externos, sem projectos verdadeiramente comuns, a Europa continua a tentar manter o seu nível de vida e o seu avançado Estado Social num mundo cada vez mais precário e em mudança.
Os tempos que se avisinham não são fáceis.

Num contexto de aumento brutal do custo das matérias primas, do aumento dos transportes, da produção em massa chinesa de tudo o que o mundo necessita, que valor acrescentado introduz a Europa na cadeia de valor?
Será que a qualificação, a criatividade e a inovação chegam para sustentar o nível económico a que estamos habituados?

Vivemos tempos difíceis, mas são nos tempos difíceis que existe a predisposição para se fazerem as maiores reformas (as certas e as erradas).

Eu acredito que o Tratado de Lisboa ainda vive, mas temo que a solução acabe por ser a amputação de Estados membros…

Relembro o que disse José Socrates quando foi acordado o Tratado de Lisboa: “Nós somos uma União e numa União ninguém fica para trás”.

18 Jun 2008 Torneio de Parapente da Calheta
 |  Category: Desporto, Parapente, Prazer  | Comments off

Correu muito bem o Torneio de Parapente da Calheta do passado fim de semana, quer em termos desportivos, quer em termos lúdicos.

Aqui ficam as notícias e os resultados:
http://www.voolivremadeira.com/
http://www.voolivremadeira.com/index.php?option=com_wrapper&Itemid=130

No Sábado a prova foi teve descolagem no Rabaçal, passagem pelas antenas no Arco da Calheta, Costa Verde, de volta às antenas, Igreja do Arco e aterragem na praia da Madalena do Mar.

Fiz o percurso todo, mas falhei a segunda passagem pela baliza das antenas por apenas 100 metros. Estava a voar com GPS, mas sem indicação visual… Se a tivesse teria cumprido todas as balizas sem problemas num tempo total de prova de cerca de 33 minutos. Tive sorte nas condições que encontrei… Os que descolaram mais cedo não tiveram tanta sorte.
De qualquer forma esta minha prova conta pouco para o campeonato uma vez que sou um piloto de nível 3 e apenas os de nível 4 e 5 pontuam bastante nestas provas.

Aqui vai o meu voo:
http://www.xcportugal.com/modules.php?name=leonardo&op=show_flight&flightID=7671
Carregando no link do Google Earth é possível ver o voo em 3 dimensões (se tiveres esse software gratuíto instalado no teu computador).

Ainda no final da tarde de Sábado fiz um voo do Chão da Lagoa para a praia do Funchal. Tentei voar até à Praia Formosa, mas o vento de frente na zona do Pico da Cruz não me deixou avançar, pelo que voltei para o Funchal a 50 km/h devido ao vento de costas. (O normal é voar a 20-30 Km/h)
http://www.xcportugal.com/modules.php?name=leonardo&op=show_flight&flightID=7672

No domingo, as condições meteorologicas estavam mais difíceis e nenhum piloto esteve sequer perto de conseguir concluir a prova.
Fiz um voo pequenino com descolagem nos Canhas e aterragem na Madalena do Mar.
http://www.xcportugal.com/modules.php?name=leonardo&op=show_flight&flightID=7673

Foi um fim de semana fantástico!

17 Jun 2008 Mais fotos da Rita
 |  Category: Família, Prazer  | Comments off





14 Jun 2008 A Rita no dia 8 de Junho
 |  Category: Família, Prazer  | One Comment

A Rita no dia a seguir a ter feito dois meses… as melhores fotos:








12 Jun 2008 Torneio de Parapente da Calheta
 |  Category: Desporto, Prazer  | Comments off

Para todos aqueles que andam fartos de ouvir falar em combustíveis, no bloqueio de estradas, no preço das viagens aéreas e tudo mais que anda por esse mundo fora, eis a minha sugestão de fim de semana:

Ir até à Calheta este fim de semana e olhar para o céu!

Por lá estarão quase duas dezenas de asas coloridas a esvoaçar no céu a competir no Torneio de Parapente da Calheta – a primeira prova do campeonato de 2008.

Que melhores viagens aéreas do que estas? Além de gratuítas, não gastam combustível porque funcionam com o peso do corpo dos pilotos e aproveitam a energia renovável das brisas que sobem a encosta aquecidas pelo calor do sol.

A meteorologia prevê excelentes condições de voo para este fim de semana!

Neste sábado, o mais provável é que a prova se inicie no Rabaçal (junto à câmara de carga da central hidroelectrica da Calheta) por volta das 10h30 e com o local de aterragem mais provável sendo na praia da Madalena do Mar por volta do meio dia. A ver vamos se a meteorologia confirma estas minhas previsões…

Para quem quiser acompanhar a prova de fio a pavio, o melhor é ir ter ao Clube Naval da Calheta, na Marina da Calheta pelas 9h30… Os pilotos já por lá andarão desde as 9h.

12 Jun 2008 Competição Regional de Parapente
 |  Category: Desporto, Prazer  | Comments off

Começou hoje oficialmente a competição regional de parapente para o ano de 2008!

Desde há muito que a disputa pelos melhores voos está ao rubro, mas oficialmente é a partir de hoje (12 de Junho) que nos ceús da Madeira as asas voam em busca dos pontos que dão acesso ao topo do ranking regional da modalidade.

Em disputa estão para já 5 clubes:
- Centro Social e Desportivo de Câmara de Lobos
- Clube Naval da Calheta
- Clube Naval do Seixal
- Ludens de Machico
- Associação Académica da Universidade da Madeira

A competição regional este ano acontece em moldes bastante diferentes do que acontecia até aqui em virtude de ter sido criada há poucos meses a Associação de Voo Livre da Madeira (em substituição do clube APRA-Madeira).

O novo modelo competitivo tem dois tipos de provas: o Campeonato da Madeira e a Liga da Madeira.
As provas do campeonato ocorrem com todos os pilotos a voar ao mesmo tempo, logo, nas mesmas condições atmosféricas, e com um objectivo comum: efectuar um percurso pré-determinado o mais rapidamente possível.

As prova da Liga da Madeira correspondem a cada mês do ano e nelas os pilotos podem decidir quando, onde e como fazem os seus voos com vista a obter os melhores resultados possíveis.

As provas do Campeonato serão 6, tendo cada uma delas duas mangas. A primeira prova do campeonato é já neste fim de semana na Calheta.

Este ano a Liga da Madeira terá 7 provas correspondendo aos meses de Junho a Dezembro.

02 Jun 2008 Propostas para as Autárquicas 2009

30 Propostas para o Programa Autárquico (do PS) para 2009

Notas prévias:
As propostas são da minha autoria e não foram aprovadas por nenhum órgão do PS, pelo que não o representam ou comprometem.
As propostas são para a generalidade das autarquias da Madeira e não para nenhuma em concreto.
As propostas não estão ordenadas por ordem de importância.

Relacionamento moderno com o munícipe

1.
Criar um sistema de HelpDesk electrónico para que os munícipes tenham a possibilidade de apresentar os seus problemas ou preocupações ao seu município (ou freguesia) de forma célere, podendo a resposta destes ser igualmente realizada por via electrónica.

2.
Promover a colaboração entre municípios, nomeadamente através da AMRAM, no sentido de disponibilizar aos munícipes informação completa e actualizada de todos os seus direitos, deveres, procedimentos, serviços e iniciativas municipais através de um site na Internet.

3.
Disponibilizar através da internet informação sobre a disponibilidade de bens culturais e de lazer, espaços ou iniciativas desportivas e de bem estar, bem como informações sobre a disponibilidade de transportes públicos, quer para eventos específicos, quer para o transporte regular usual.

4.
Realizar uma campanha nos média tradicionais para promover o registo dos munícipes em newsletters municipais de registo voluntário (opt-in), passando a utilizar este meio electrónico gratuito para a divulgação de informação e iniciativas das autarquias da Região Autónoma da Madeira.

Acesso à Internet

5.
Promover a info-inclusão e o acesso à Internet nos espaços de atendimento ao público (Municipais e de Freguesia), destacando pessoas para auxiliar os munícipes para ajudá-los na utilização da Internet para o relacionamento com os diversos serviços públicos (Estado, Região, Autarquias), bem como prestadores de serviços essenciais (Energia, Comunicações , etc.)

6.
Promover os espaços públicos de acesso à Internet orientados para os munícipes e localizados nas centralidades das diversas freguesias.

7.
Promover a recolha de equipamentos informáticos em fim de vida, reconfigurando-os e limitando a sua funcionalidade à pouco exigente tarefa de acesso exclusivo à internet, utilizando para tal sistemas operativos open source especialmente adaptados a essa função.

Gestão de Recursos Humanos e Materiais

8.
Inventariar os recursos materiais e as competências humanas existentes em cada município e disponibilizá-los numa base de dados disponível na Internet, mas apenas acessível para os diversos serviços de cada município.

9.
Promover a partilhar recursos humanos e materiais entre municípios, com vista à melhor utilização dos mesmos, utilizando um modelo de responsabilização e de custos previamente acordado entre os municípios aderentes.

10.
Descentralizar o acesso aos serviços públicos até aos espaços públicos de acessos à Internet nas centralidades das Freguesias.

Qualidade

11.
Normalizar os procedimentos municipais, instituir mecanismos de controlo e desencadear o processo de certificação de qualidade para todos os serviços municipais e de freguesia.

12.
Estabelecer metas de desempenho para todas as funções e serviços, avaliar os resultados, premiar o mérito e penalizar o mau desempenho injustificado.

13.
Melhorar a informação disponibilizada ao público e fomentar a participação cívica no debate sobre o que queremos que seja o futuro de cada uma das nossas localidades e o que deve ser prioritário.

14.
Estruturar o workflow electrónico de informação e documentos das Autarquias e torná-lo disponível ao cidadão, permitindo a qualquer cidadão tomar conhecimento automaticamente em que fase se encontra cada um dos seus casos, o que já foi ultrapassado e os tramites que faltam, com vista a optimizar as suas decisões consoante o andamento dos seus processos.

Igualdade e Justiça

15.
Criar sistemas de controlo do andamento dos pedidos dos cidadãos, por forma a garantir que são atendidos pela ordem devida e que são cumpridos os trâmites normais, aumentando dessa forma as garantias ao cidadão da inexistência de favorecimentos ou corrupção.

16.
Disponibilizar o acesso livre e por via electrónica de toda a actuação das autarquias, nomeadamente o acesso aos documentos contabilísticos e os contratos programa com as entidades externas, garantindo através do livre escrutínio público a equidade da actuação diária e promovendo a competividade económica entre os prestadores de bens e serviços às autarquias, bem como a melhoria contínua dos prestadores de serviços úteis às comunidades.

17.
Publicitar mensalmente os tempos médios para cada tipo de solicitação dos munícipes, bem como os tempos médios de cada tarefa desse tipo de solicitação, aumentando dessa forma a evidência do que necessita ser reforçado em termos de meios ou simplificado em termos burocráticos ou procedimentais.

Infra-estruturas Municipais e Ordenamento

18.
As autarquias devem colaborar na gestão conjunta da água e acordar preços de referência para a disponibilização deste bem precioso. Não devem existir taxas mínimas associadas ao consumo de água, mas sim um preço directamente proporcional ao consumo, independentemente do seu uso. Devem ser bonificados no preço da água face ao valor de referência, os cidadãos dos municípios que disponibilizam água para os outros que não dispõem dela em quantidade suficiente para as necessidades. Devem ser fortemente penalizados os municípios onde exista uma maior perda na rede de distribuição.

19.
Planear a renovação total da rede pública de água, saneamento, energia e comunicações, passando toda esta infra-estrutura a utilizar o mesmo canal subterrâneo. A prazo deverá ser eliminada a utilização do espaço aéreo para a passagem de cabos eléctricos ou de comunicação. Deve ser criada uma rede de água potável e outra para água para limpeza e utilização em jardins. A rede de canais deve ter hubs para facilitar a ligação final às habitações e para ser fácil detectar fugas e reparar troços danificados.

20.
Planear a renovação total do asfalto, após a renovação da rede pública, fazendo-a de raiz para durar e não para remendar daí a pouco tempo.

21.
Deverá ser fomentada a concentração habitacional nas centralidades com vista à diminuição dos custos com infra-estruturas e de transporte. Deverá ser promovida a reabilitação dos centros urbanos degradados com vista a lá fixar população jovem.

22.
Fomentar o uso de transporte público, promovendo a renovação da frota e garantindo um bom serviço em termos de frequência, extensão da rede e comodidade do transporte.

23.
Rever os Planos Directores Municipais com o objectivo de ordenar e promover o desenvolvimento. Utilizar os demais instrumentos de ordenamento, como os planos de pormenor e de urbanização, para os espaços em que tal se adequa.

Formação e Organização

24.
Fomentar a formação dos funcionários públicos das autarquias, promovendo acções de formação, nomeadamente em e-learning e blended learning (presenciais e on-line).

25.
Todos os serviços municipais deve
m ser repensados em torno do cidadão e dos serviços que lhes são prestados e não em torno da estrutura interna dos serviços. Não deve haver o receio de mudar as estruturas hierárquicas antiquadas para novas estruturas, nomeadamente em matriz, com equipas fortemente especializadas que permitem um melhor desempenho com o trabalho em equipa.

Finanças

26.
As autarquias devem ser irrepreensíveis no pagamento dos bens e serviços solicitados a fornecedores a tempo e horas, ou seja, devem efectuar o pagamento imediatamente após o tempo estritamente necessário para a verificação da conformidade do que foi recebido face ao encomendado.

27.
Reduzir o nível de endividamento para valores aceitáveis, não onerando excessivamente as gerações futuras e deixando uma margem financeira para reagir a eventuais catástrofes ou dificuldades económicas extremas.

Enfoque Social

28.
Actuar concertadamente com os diversos municípios e com o Governo Regional para a resolução dos problemas sociais que extravasam os limites administrativos, tais como a droga, o alcoolismo e a criminalidade contra os mais desprotegidos.

29.
Promover o voluntariado, não apenas entre os mais jovens, mas sobretudo entre os reformados, que com aumento da esperança de vida podem ter uma vida socialmente activa e gratificante com a participação em iniciativas solidárias, nomeadamente em redes de apoio comunitário.

30.
Combater a pobreza, apoiando a formação em áreas com empregabilidade, promovendo a reinserção e combatendo a concentração de focos problemáticos que tendem a reproduzir-se em vez de esbater-se.