acesso a zona privada

Archive for ◊ Maio, 2010 ◊

11 Mai 2010 Civilization 5 no Outono de 2010
 |  Category: Sem categoria  | One Comment

The future belongs to those that believe in the beauty of their dreams.

www.civilization5.com

10 Mai 2010 Bolsa subiu 10%

Depois de 14 meses com as bolsas a cair, eis que a criação pela União Europeia de um mega-fundo de 750 000 milhões de euros por ano para garantir as contas públicas dos estados não ficarem sujeitos aos especuladores.

Eis que os mercados reagem com entusiasmo com subidas em todo o mundo!
Em Portugal subiu 10%! Um recorde!
Viva a intervenção dos Estados nos mercados de capitais!
Viva o capitalismo em fim de ciclo!

10 Mai 2010 Quando a China governar o mundo (2) – a mudança de turno
 |  Category: Sem categoria  | Comments off

Quando mudamos da escala temporal da nossa vida para uma escala um pouco mais abrangente percebemos que as mudanças no mundo são muito mais intensas do que aparentam na pequena escala das semanas e dos anos.
A liderança económica, militar, política e cultural teve enormes mudanças ao longo dos últimos séculos. Nos últimos 5 séculos já estiveram a liderar o mundo: Portugal, Espanha, Holanda, França, Alemanha, Reino Unido e Estados Unidos. Ou seja, tivemos Europa, Europa, Europa e quando deixou de ser Europa passou a ser Estados Unidos com os Ingleses que emigraram para a América. Uma mudança da liderança para a Ásia tem um impacto muito maior no mundo do que as mudanças anteriores que conhecemos porque a matriz cultural asiática é substancialmente diferente da europeia.
Desde o final da II Guerra Mundial (1945) têm sido os Estados Unidos a liderar o mundo com reflexos nos organismos internacionais como a ONU, o Fundo Monetário Internacional e a NATO. O dólar passou a ser a moeda de referência mundial. Os Estados Unidos têm actualmente 800 bases militares espalhadas por todo o mundo. São uma potência imperialista!
Pode parecer estranho que a China apareça agora como o candidato a líder mundial quando a imagem que ainda temos desse gigantesco país é a de uma multidão confusa, ruidosa, pobre e comunista, que vive aos magotes, que come de tudo, que fala de forma totalmente imperceptível e que vive num regime político repressivo. É horrível para os defensores da liberdade e da democracia que esta China, que temos na nossa mente, seja a líder mundial e a referência para as instituições políticas do mundo… Mas será a China das nossas cabeças a verdadeira China de hoje?
Pode parecer que demorará muito tempo até que a China tenha níveis de desenvolvimento e consumo similares aos nossos, mas a verdade é que já andamos com esta conversa há quase 40 anos e os desenvolvimento extraordinários já aconteceram no passado com outros países!
Em 1870 a economia dos Estados Unidos pesava apenas 8,8% no mundo de então. Em 1913 já pesava 18,9%; e 27,3% em 1950! Em 80 anos, os Estados Unidos, com apenas 4,6% da população mundial, conseguiram deter um poderio económico inacreditável. Desde essa altura, o peso dos Estados Unidos tem vindo a descer gradualmente, representando hoje cerca de 20%.
Não foi caso único! O Reino Unido teve um crescimento astronómico com a primeira revolução industrial. Em 1899, a economia do Reino Unido representava apenas 9% da economia mundial. Em 1944 atingiu o máximo detendo 35% da economia mundial! E hoje? O Reino Unido representa apenas 3,3% da economia mundial…
E a China? E a India? Quais foram os seus percursos? Em 1820 a China representava 32% da economia mundial, mais por causa da quantidade da população do que pela independência económica individual. A Índia em 1820 representava 16% da economia mundial. Foram perdendo peso na economia mundial a um grande ritmo até 1973, altura em que representavam apenas 3% e 2% da economia mundial. A partir daí começaram a crescer rapidamente e em 2001 a economia Chinesa já representava 13% da economia mundial. A Indiana representava apenas 6%.
Este grande crescimento da Ásia já se nota na economia mundial. Depois de 20 anos com o preço das commodities a descer gradualmente, eis que a procura mundial do Oriente fez desparar os preços.
Num mundo globalizado para todos os bens da economia, o conhecimento e a tecnologia, o factor demográfico tem um peso preponderante no peso económico, tal como na sociedade agrária do século XIX o relativo isolamento fazia com que fosse a quantidade de população o critério com mais peso na economia.
De acordo com a Goldman Sachs, o produto nacional bruto (PNB) da China ultrapassará o dos Estados Unidos em 2027, ou seja, daqui a 17 anos. Mas as mesmas estimativas apontam para que em 2050 o PNB da China seja quase o dobro do dos Estados Unidos. Ora em 2050 eu terei 76 anos, pelo que esta mudança brutal vai acontecer no meu tempo de vida!
Essas mesmas previsões dizem que em 2050 o PNB da Índia (3.º) será praticamente igual ao dos Estados Unidos e quatro vezes superior a cada um do países que se seguem: 4.º Brasil; 5.º México; 6.º Rússia; 7.º Indonésia; 8.º Japão; 9.º Reino Unido e 10.º Alemanha.
Em 2050, o velho continente apenas estará representado em 9.º e 10.º do poderio económico.
Mas será que a liderança política e cultural dependente da situação da economia? Durante a guerra fria, a União Soviética tinha uma economia que produzia apenas metade do que a dos Estados Unidos e com muito menos sofisticação militar e tecnológica e no entanto tinha um enorme impacto político e cultural no mundo. Visto por este prisma, porque é que a China não é já um jogador muito mais decisivo no cenário mundial?

Mas tem! Com o enorme superavite comercial da China, Singapura e dos Fundos Soberanos dos países do Petróleo, são estes os principais investidores das economias ocidentais, tentando obter maior rendimento para os seus capitais.
Com a falência de instituições de crédito de referência nos Estados Unidos em Setembro de 2008, e com a intervenção estatal, os investidores internacionais podem ter realizado uma enorme alavancagem, uma vez que foram os principais financiadores para evitar o colapso económico e a queda do dólar. Foi um momento que tornou evidente quem tinha dinheiro (a Ásia) com anos acumulados de superavits e os Estados Unidos com anos acumulados de deficits.

Setembro de 2008 pode bem ter sido o ponto de rotura do capitalismo, tal como o muro de Berlim foi o ponto de rotura do Comunismo Soviético que caiu em 9 de Novembro de 1989 e logo em 26 de Dezembro de 1991 implodia politicamente a União Soviética…

10 Mai 2010 Quando a China governar o mundo (1)

Comecei hoje a ler um livro chamada “When China rules the World” do inglês Martin Jacques, um professor universitário e autor de vários livros sobre política. As suas áreas de intervenção são a política, economia, relações internacionais e diplomacia.

Este livro é de 2009, mas começou a ser pensado em 1996 e foi escrito na Ásia porque o autor decidiu ir para lá viver em 1998. O livro foi construído após muitos diálogos, sobretudo nas universidades da Ásia.

Há alguns anos que tenho como certo que neste século XXI a China será o jogador central da política e da economia mundial. Os números do crescimento económico não enganam. A atitude demonstrada, quer na preparação dos Jogos Olímpicos, quer na feira mundial que decorre neste momento em Shangai, é clara. A China quer ser líder do mundo – à sua maneira!
Vou ler o livro e depois escrevo-vos a minha opinião sobre o assunto e os dados mais interessantes que encontrar no livro.

Ver este livro na Amazon.com