acesso a zona privada
08 Mai 2012 Fiz compras no Continente com 61% de desconto e só pago no próximo mês!
 |  Categoria: Economia

Fiz compras no Continente com 61% de desconto e só pago no próximo mês!

No dia em que o país tentou ir às compras no Pingo Doce para aproveitar a campanha de 50% de desconto na loja toda, apenas nesse dia, eu fiz compras no Continente com 61% desconto!

Não tenho nada contra o Pingo Doce, nem contra aquela campanha. Acho muito bem que o Pingo Doce tenha feito esta campanha inédita, ainda que no 1.º de Maio, e considero que foi um sucesso. Senão vejamos:

- Até hoje, a promoção do Pingo Doce continua a ser assunto de conversa entre as pessoas e entre os comentadores.

- Deu projecção brutal à marca. Reparem no seguinte gráfico do Google Trends, ferramenta que mede a popularidade das palavras chave nas pesquisas na Internet e nas notícias para a marca Pingo Doce…

http://www.google.pt/trends/?q=pingo+doce&geo=prt&sa=N

- Não gastaram um tusto com publicidade comercial! A campanha inicial foi sumariamente comunicada de véspera e tiverem uma semana em que não se falou noutra coisa em toda a comunicação social.

- Fez esquecer a transferência da empresa mãe para a Holanda – assunto pouco comentado nesta semana.

- Anulou a fortíssima campanha do principal concorrente – o Continente, com  75% de desconto em cartão, durante cerca de uma semana, que pelo menos no 1.º de Maio ficou às moscas… Convém recordar que a campanha do Continente que estava a ter um efeito dramático nas vendas do Pingo Doce do primeiro trimestre.

Mas a campanha foi um sucesso porque ela não é assim tão melhor do que a do Continente, apesar de parecer… Conto-vos a minha experiência pessoal.

Nesse primeiro de Maio eu também fiz compras, no Continente, gastei 204,31€.

Fi-lo depois de ter tentado ir ao Pingo Doce e ter desistido à porta de entrada porque havia fila para entrar. Na verdade tentei ir ao Pingo Doce por duas vezes a dois supermercados distintos, uma vez antes da hora de almoço e outra logo depois da hora de almoço, mas em ambas desisti à porta do Pingo Doce porque superava o meu nível de tolerância a confusões, que até é um nível bastante elevado.

Fui ao Modelo/Continente que estava ali ao lado e estava vazio. Dessas duas centenas de euros de compras, 29,50€ foram de crédito que já tinha no cartão de compras anteriores e 174,81€ foram pagos com cartão de crédito, que na verdade só pago, na integra, no próximo mês, sem qualquer custo adicional.

E fiquei com 124,78€ em cartão, sendo 82,19€ para gastar em Maio (7 a 31) e 41,09€ para gastar em Junho.

Ora, já está a decorrer uma outra promoção extra de 10% no Continente, em todos os produtos, que ocorre periodicamente e onde poderei utilizar o valor que tenho em cartão para pagar essas compras.

As compras que fiz no Continente no dia 1 de Maio foram racionais! Não comprei tudo o que queria porque, como habitualmente, alguns preços não eram interessantes e podia viver com outras alternativas. Não comprei coisas que não precisava, mas antecipei compras que não faria se não existisse o desconto de 75%. Por exemplo, comprei lampadas.

Concluindo, o Pingo Doce fez uma campanha fabulosa porque conseguiu publicidade impagável, ainda que com um custo relevante. Anulou a fabulosa campanha do concorrente directo, criando-lhe seguramente problemas de tesouraria e logística.

Esta campanha do Pingo Doce demonstra ainda 2 coisas: como as contas nem sempre são fáceis de fazer nas campanhas e como os portugueses valorizam a liberdade de escolha dos produtos que querem, em vez de estarem limitados aos produtos em promoção.

Mas esta situação fez-me novemente tomar consciência de como podem ser socialmente injustas estas campanhas. Mesmo com o desconto de 50% na hora do Pingo Doce, conheço pessoas que me disseram à posterióri que nem foram ao Pingo Doce porque não tinham 50€ para adiantar para compras.

Na verdade, 50€ é 25% de muitas pensões de reforma, é cerca de 10% do salário mínimo, é imenso para quem não tem qualquer fonte regular de rendimento e é mais do que um número significativo de pessoas têm disponível no actual contexto económico, mesmo no início do mês. As pessoas que verdadeiramente precisam de desconto nos bens essenciais não têm acesso a cartão de crédito para pagar no próximo mês… O crédito só existe para quem o pode dispensar…

Nota final: Num contexto em que os bancos não dão crédito para nada, recibi há poucas semanas uma carta do banco estrangeiro do meu cartão de crédito que me aumentou ainda mais o plafond… Mensalmente não uso mais do que 8% do plafond disponível e pago 100% no mês seguinte sem qualquer juro associado, mas não deixa de ser caricato que velhos hábitos das entidades bancárias persistam, tentando fazer cair na ratoeira do crédito fácil os incautos…

Pode seguir as respostas a este artigo através de RSS 2.0. Quer os comentários quer os pings estão encerrados.

Os comentários estão fechados.